Tony, Maria e Bernstein

09 e 10 de agosto 2018, das 19H30 às 20H
Sala de Recepções
Palestrante: Arildo de Barros

ir para a página deste programa

“Jerry R. [Robbins] ligou hoje falando sobre uma ideia nobre: uma versão moderna de Romeu e Julieta (…). Mas isso é bem menos importante do que a ideia maior de fazer um musical que conte sobre uma história trágica nos termos da comédia-musical, usando apenas técnicas da comédia-musical, nunca caindo na armadilha “operística”. Pode funcionar? Até hoje não funcionou em nosso país. Estou empolgado”. Escreveu Leonard Bernstein em seu diário. Dessa conversa nasceu West Side Story, que estreou na Broadway em 1957 e transformou para sempre a história do gênero nos EUA. O ator Arildo de Barros comenta a história de Tony, Maria, Jets e Sharks e seus encontros com Romeu, Julieta, Montecchios e Capuletos.

 

Em 1961, West Side Story [Amor, sublime amor] foi adaptado para o cinema. Ilustra esta página uma das cenas mais emblemáticas do filme, em que as gangues Sharks e Jets bailam ao som do Mambo, uma das Danças Sinfônicas de Bernstein que a Filarmônica interpretará neste programa.

Arildo de Barros

Arildo é ator do Grupo Galpão desde 1994, quando atuou em “A Rua da Amargura”. A partir desse ano, passa a integrar diversas montagens da companhia, como “Tio Vânia”, “Till, a saga de um herói torto” e “Um trem chamado desejo”. Natural de Paraisópolis, interior de Minas, Arildo formou-se na Faculdade de Direito da UFMG em 1966, mas é ao teatro que tem se dedicado desde então em incontáveis produções. Entre 1985 e 1994 foi professor de Teatro no Departamento de Comunicação da PUC Minas, tendo levado à cena, como diretor ou como supervisor de direção, cerca de 40 textos.