Concertos para a Juventude | Beethoven

José Soares, regente
Luka Milanovic, violino

|    Concertos para a Juventude

BEETHOVEN
BEETHOVEN
BEETHOVEN
BEETHOVEN
BEETHOVEN
As criaturas de Prometeu, op. 43: Abertura
Marcha Zapfenstreich
Romance nº 1 em Sol maior, op. 40
Sinfonia nº 5 em dó menor, op. 67: Allegro con brio
Sinfonia nº 7 em Lá maior, op. 92: Allegro con brio

José Soares, regente

Natural de São Paulo, José Soares é Regente Assistente da Orquestra Filarmônica de Minas Gerais desde 2020. Iniciou-se na música com sua mãe, Ana Yara Campos. Estudou Regência Orquestral com o maestro Cláudio Cruz, em um programa regular de masterclasses em parceria com a Orquestra Sinfônica Jovem do Estado de São Paulo. Participou como bolsista nas edições de 2016 e 2017 do Festival Internacional de Inverno de Campos do Jordão, sendo orientado por Marin Alsop, Arvo Volmer, Giancarlo Guerrero e Alexander Libreich. Recebeu, nesta última, o Prêmio de Regência, tendo sido convidado a atuar como regente assistente da Osesp em parte da temporada 2018, participando de um Concerto Matinal a convite de Marin Alsop. Foi aluno do Laboratório de Regência da Orquestra Filarmônica de Minas Gerais, sendo convidado pelo maestro Fabio Mechetti a reger um dos Concertos para a Juventude da temporada 2019. Em julho desse mesmo ano, teve aulas com Paavo Järvi, Neëme Järvi, Kristjan Järvi e Leonid Grin, como parte do programa de Regência do Festival de Música de Parnü, Estônia. Atualmente, cursa o bacharelado em Composição pela Universidade de São Paulo.

Luka nasceu em Belgrado, Sérvia, onde estudou violino na Escola Primária e Secundária Kosta Manojlovic, com a professora Sanda Dramicanin, em Zemun. Em seu país, recebeu o primeiro lugar na Republic Competition of Chamber Duos em 2002, foi laureado na competição Vojislav Vuckovic em 2002 e 2003, anos em que também foi premiado na competição Smederevski Dani. Em 2003, foi admitido na Faculdade de Música da Universidade de Belgrado (Fakultet Muzicke Umetnosti), na classe da professora Jasna Maksimovic, onde se formou e obteve, em 2011, o título de Mestre. Atuou como solista e membro da orquestra do grupo folclórico Frula em apresentações nos EUA, Alemanha e Chipre. Tocou com a Berliner Jugendorchestra em Belgrado como um dos convidados da Sérvia. Antes de mudar-se para o Brasil em 2008, Luka integrou o quarteto de cordas Kalian-lu de 2004 a 2006.

Programa de Concerto

As criaturas de Prometeu, op. 43: Abertura | BEETHOVEN

Beethoven escreveu a música para o balé As criaturas de Prometeu, de Salvatore Viganò, entre a composição de suas duas primeiras sinfonias. A música de cena, por princípio, deveria ser mais fácil do que a destinada às salas de concerto, e o Prometeu mostra Beethoven explorando efeitos orquestrais que jamais apareceriam em suas sinfonias. Porém, mais tarde, ele usaria material do balé nas Variações para piano op. 35 e no finale da Sinfonia Eroica.

Instrumentação: piccolo, 2 oboés, 2 clarinetes, 2 fagotes, contrafagote, 2 trompas, 2 trompetes, percussão.

O primeiro Romance, em Sol maior (provável movimento lento concebido para o inacabado Concerto Wo05), foi composto em 1799 e publicado em 1802. Seu tema principal, em Andante lento, tem caráter pastoral e o desenvolvimento constrói um diálogo permanente entre o solista e a orquestra

Embora os muitos esboços da Quinta Sinfonia datem já do início de 1804, Beethoven trabalhou assiduamente na obra apenas em 1807 e terminou a composição no início de 1808. Foi executada, pela primeira vez, no dia 22 de dezembro de 1808, no Theater an der Wien, por um grupo de músicos recrutados para a ocasião, sob a regência do próprio Beethoven. Nesse célebre concerto em que foram estreadas várias obras importantes e longas, Beethoven ainda sentou-se ao piano para uma série de improvisações.

No dia 8 de dezembro de 1813, Beethoven realizou na Universidade de Viena a primeira audição da Sétima Sinfonia. A pedido do público, o segundo movimento foi repetido como bis. O sucesso teve um significado especial para o compositor, pois, ao eleger o ritmo como elemento dominante da sinfonia, ele o idealizou como fator socializante, capaz de moldar os sentimentos coletivos (coincidentemente, a estreia ocorreu por ocasião de um concerto beneficente para os inválidos das guerras napoleônicas). Sob o aspecto da predominância do elemento rítmico, a Sétima se assemelha à Quinta. Entretanto, há entre elas uma diferença estrutural. Na Sinfonia nº 5, a força e a unidade advêm da recorrência da mesma célula rítmica em todos os movimentos; na Sétima, ao contrário, cada andamento é modelado e diferenciado por um padrão rítmico próprio. A estratificação de uma figura rítmica persistente, facilmente perceptível em cada parte, define o perfil da Sinfonia como um todo.

10 out 2021
domingo, 11h00

Sala Minas Gerais
Quero ser lembrado deste concerto.
adicione à agenda 10/10/2021 11:00 AM America/Sao_Paulo Concertos para a Juventude | Beethoven false DD/MM/YYYY
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sáb
26 27 28 29 30 1 2
3 4 5 6 7 8 9
10 11 12 13 14 15 16
17 18 19 20 21 22 23
24 25 26 27 28 29 30
31 1 2 3 4 5 6