Concertos para a Juventude | Haydn

José Soares, regente
Marlon Humphreys-Lima, trompete

|    Concertos para a Juventude

HAYDN
HAYDN
HAYDN
HAYDN
HAYDN
Sinfonia nº 104 em Ré maior, Hob. I:104, "Londres": Adagio – Allegro
Concerto para trompete em Mi bemol maior, Hob. VIIe:1: Allegro
Sinfonia nº 94 em Sol maior, Hob. I:94, "Surpresa": Andante
Sinfonia nº 45 em fá sustenido menor, Hob. I:45, "Despedida": Presto – Adagio
Sinfonia nº 104 em Ré maior, Hob. I:104, "Londres": Spirituoso

José Soares, regente

Natural de São Paulo, José Soares é Regente Assistente da Orquestra Filarmônica de Minas Gerais desde 2020. Iniciou-se na música com sua mãe, Ana Yara Campos. Estudou Regência Orquestral com o maestro Cláudio Cruz, em um programa regular de masterclasses em parceria com a Orquestra Sinfônica Jovem do Estado de São Paulo. Participou como bolsista nas edições de 2016 e 2017 do Festival Internacional de Inverno de Campos do Jordão, sendo orientado por Marin Alsop, Arvo Volmer, Giancarlo Guerrero e Alexander Libreich. Recebeu, nesta última, o Prêmio de Regência, tendo sido convidado a atuar como regente assistente da Osesp em parte da temporada 2018, participando de um Concerto Matinal a convite de Marin Alsop. Foi aluno do Laboratório de Regência da Orquestra Filarmônica de Minas Gerais, sendo convidado pelo maestro Fabio Mechetti a reger um dos Concertos para a Juventude da temporada 2019. Em julho desse mesmo ano, teve aulas com Paavo Järvi, Neëme Järvi, Kristjan Järvi e Leonid Grin, como parte do programa de Regência do Festival de Música de Parnü, Estônia. Atualmente, cursa o bacharelado em Composição pela Universidade de São Paulo.

Natural de São Paulo, teve sólida formação musical com Gilberto Siqueira e foi vencedor do Prêmio Weril (2000). Com bolsa de estudos da Vitae, aperfeiçoou-se em Chicago com Mark Ridenour e Aldoph Herseth. Foi solista na Civic Orchestra of Chicago e trabalhou com a Chicago Symphony, Grand Park Symphony, Rochester Philharmonic e Oak Park Symphony. No Japão, foi membro fundador e solista da Hyogo Performing Arts Center Orchestra e participou do Pacific Music Festival. Trabalhou com os maiores regentes da atualidade, destacando-se Valery Gergiev, Daniel Barenboim e Pierre Boulez. A convite de Valery Gergiev, participa da World Orchestra for Peace.

Programa de Concerto

O compositor austríaco Joseph Haydn compôs seu Concerto para trompete para o amigo Anton Weidinger, que havia desenvolvido o trompete de chaves, uma bem-sucedida tentativa de ampliar o número de notas do instrumento. Composta em 1796, apresentada pela primeira vez em 1800, a peça de Haydn funciona, não somente como uma das mais amadas do compositor e das mais populares peças para o instrumento, como também um divisor de águas entre os períodos barroco e a clássico. Ainda que o trompete na era barroca seja comumente associado a fanfarras, marchas triunfais e realeza, a abertura do concerto parece apresentar a seguinte pergunta: será que o trompete consegue prender nossa atenção sem soar ousado ou imperioso? Fato é que o Concerto para trompete responde à pergunta e abre precedente para uma nova forma de tocar, condizente também com própria evolução e melhoria do instrumento, como revela James M. Keller: “É somente na terceira entrada que o novo trompete realmente se apresenta, com um tema que percorre a escala de cima a baixo, suavemente e em um registro mais baixo antes de iniciar uma pequena descida de seis notas. O efeito deve ter sido extraordinário: tal combinação de alturas, dinâmicas e timbre nunca tinha sido ouvida antes na história. Com este Concerto, o trompete entra no mundo moderno”.

Em 1790, após a morte do Príncipe Nicholas Esterházy, seu empregador por quase três décadas, Joseph Haydn foi informado de que seu posto de diretor musical na corte do novo príncipe seria mantido. No entanto, nenhuma demanda particular ou aparição seria solicitada do compositor mais admirado da Europa, que receberia pelo posto uma pensão anual de mil florins. Sabendo das mudanças em Esterházy e da recente liberdade de Haydn, o empresário Johann Peter Salomon prontamente se dirigiu a Viena para convencer o compositor a empreender sua primeira aparição na Inglaterra. Sem avisar, apareceu à porta de seu recém-alugado apartamento e disse: “Eu sou Salomon, de Londres, e vim buscá-lo. Amanhã faremos um accord – em francês, a palavra significa tanto “acordo” quando “acorde” –, o que obviamente conquistou pontos com o artista antes mesmo das negociações começarem. Haydn seria ricamente recompensado pela encomenda de uma ópera, seis sinfonias e vinte outras composições. Sua chegada a Londres “causou grande sensação em toda a cidade”, como revelara em uma carta. As peças criadas durante esse período na cidade são conhecidas como “de Londres”. Uma delas, a Sinfonia nº 94 em Sol maior, é amada e popular desde sua primeira execução pública. O seu apelido se deve à Surpresa encontrada nos primeiros acordes do segundo movimento, feita, segundo Haydn, para acordar um senhor que frequentava todos os concertos e sentava-se sempre no mesmo lugar para… dormir.

22 ago 2021
domingo, 11h00

Sala Minas Gerais
Quero ser lembrado deste concerto.
adicione à agenda 22/08/2021 11:00 AM America/Sao_Paulo Concertos para a Juventude | Haydn false DD/MM/YYYY