Da cólera à pureza – filho

Neil Thomson, regente convidado
Paulo Álvares, piano

BEETHOVEN
Abertura Coriolano, op. 62

Neil Thomson, regente convidado

Neil Thomson é um dos mais respeitados e versáteis maestros britânicos de sua geração. Nascido em 1966, estudou com Norman Del Mar na Royal College of Music, em Londres, e com Leonard Bernstein e Kurt Sanderling no Festival de Tanglewood, nos EUA. É Diretor Artístico e Regente Titular da Filarmônica de Goiás desde 2014. Gravou com a Sinfônica de Londres e com a Filarmônica Real de Liverpool. Colaborou com diversas orquestras britânicas, como a Filarmônica de Londres, a Philharmonia, a Filarmônica da BBC, a Royal Scottish National Orchestra, a Hallé e a Royal Philharmonic. Já se apresentou com a Filarmônica de Tóquio, com as sinfônicas de Lahtu e de Oulu na Finlândia, a Royal Northern Sinfonia, a Sinfônica de Israel, a Sinfônica do Porto Casa da Música, a Osesp, a Orquestra da Rádio WDR, entre muitas outras. De 1998 a 2006, foi chefe de regência no Royal College of Music (RCM), tendo sido o mais novo a ser incumbido do cargo. Em 1994, tornou-se membro honorário da RCM por seus serviços à instituição e tem estabelecido uma louvável reputação como professor orquestral. Em 2002, foi convidado por Lorin Maazel para ser jurado da etapa europeia da Maazel Conducting Competition. Em 2007, foi jurado, ao lado de Gunther Schuller, no Eduardo Mata International Conducting Competition, na Cidade do México, e, em 2014, foi jurado na Prokofiev Conducting Competition, em São Petersburgo.

Paulo Álvares é professor de música de câmara contemporânea e improvisação na Escola Superior de Música de Colônia, Alemanha, e fundador do Ensemble for Aleatoric Music. O artista é requisitado como pianista solo e camerista, particularmente em música contemporânea. Mineiro, nascido em 1960 e formado pela Universidade de São Paulo, estudou nos Estados Unidos com Caio Pagano e Steven de Groot, concluindo mestrado pela Universidade Cristã do Texas. Frequentou, com bolsa do DAAD (Serviço Alemão de Intercâmbio Acadêmico), a Escola Superior de Música de Colônia, onde estudou com Aloys Kontarsky e Hans Ulrich Humpert. Recebeu o Prêmio de Música Kranichstein no Darmstadt New Music Courses. Paulo Álvares trabalhou com regentes e compositores como Mauricio Kagel, Helmut Lachenmann, Luciano Berio, Earle Brown, Tristan Murail, Emmanuel Nunes, Peter Eötvös, Dieter Schnebel e Gerhard Stäbler. Ele se apresentou com orquestras como a Sinfônica WDR de Colônia, Sinfônica de Gürzenich, Sinfônica Bochumer e Saarländisches Rundfunk Orchester, além de colaborar com diversos grupos de música nova.

Programa de Concerto

Abertura Coriolano, op. 62 | BEETHOVEN

Na época de Beethoven, surgiu o costume de se iniciar toda apresentação teatral com uma peça musical, muitas vezes composta especialmente para a ocasião. Beethoven escreveu a Abertura Coriolano inspirado pela tragédia homônima do poeta e dramaturgo vienense Heinrich J. von Collin, estreada em Viena em novembro de 1802 com muito sucesso. Coriolano é um herói romano dividido entre o impulso patriótico, a devoção à família e o orgulho próprio. Promovido a general, foi traído por seus inimigos e banido de Roma. Organiza uma vingança, mas os assustados romanos enviam sua mãe, esposa e filho para convencê-lo a desistir de invadir a cidade. Ele aceita os pedidos da família, mas escolhe o suicídio como única saída honrosa para sua situação. De acordo com E.T.A. Hoffmann, célebre escritor e poeta alemão, contemporâneo de Beethoven, a Abertura Coriolano “é perfeitamente adequada a criar a expectativa de que um grande e trágico evento será o conteúdo da peça que se segue. Somente uma tragédia de caráter elevado, onde heróis são criados e destruídos, poderia vir após essa abertura”.

Quero ser lembrado deste concerto.
adicione à agenda 05/06/2020 8:30 PM America/Sao_Paulo Da cólera à pureza – filho false DD/MM/YYYY