Música, Fauna e Flora

Fabio Mechetti, regente

|    Fora de Série

YOSHIMATSU
PUCCINI
RESPIGHI
HOVHANESS
VILLA-LOBOS
Trenodia para Toki, op. 12
Os Crisântemos
Os Pássaros
E Deus criou as grandes baleias, op. 229, nº 1
Floresta do Amazonas (excertos)

Fabio Mechetti, regente

Natural de São Paulo, Fabio Mechetti é Diretor Artístico e Regente Titular da Filarmônica de Minas Gerais desde sua criação, em 2008. Recentemente, tornou-se o primeiro brasileiro a ser convidado a dirigir uma orquestra asiática, sendo nomeado Regente Principal da Filarmônica da Malásia. Foi Residente da Sinfônica de San Diego, Titular das sinfônicas de Syracuse, Spokane e Jacksonville, sendo agora Regente Emérito das duas últimas. Foi Regente Associado de Mstislav Rostropovich na Sinfônica Nacional de Washington. Além de uma sólida carreira nos Estados Unidos e no Brasil, já conduziu em países como México, Peru, Venezuela, Nova Zelândia, Espanha, Japão, Escócia, Finlândia, Canadá, Suécia e Itália. Venceu o Concurso Internacional de Regência Nicolai Malko. Mechetti possui títulos de mestrado em Composição e em Regência pela Juilliard School.

Programa de Concerto

Trenodia para Toki, op. 12 | YOSHIMATSU

Trenodia é o nome dado a um canto fúnebre, ou a uma ode a um assunto triste. Se usarmos este caminho para entender a composição de Takashi Yoshimatsu, fica ainda mais compreensível a interseção que Trenodia para Toki traz entre uma composição de beleza ímpar, mas, simultaneamente, dotada de uma tristeza inconformada. Toki é a ave símbolo do Japão, declarada extinta em 1981, quando os seis exemplares remanescentes foram capturados pelo governo na tentativa malsucedida de gerar novos filhotes. No mesmo ano o opus 12 de Yoshimatsu estreava pela Sinfônica do Japão, com regência de Kazuo Yamada. A disposição da orquestra no palco evocava o formato do pássaro: o piano, ao centro, representa o corpo; os contrabaixos, ao fundo, a cauda; as cordas espelhadas, metade do lado esquerdo e metade do lado direito, são as asas; e o maestro é a cabeça. No fim da década de 80, o toki foi redescoberto na China. Em 1999, o Japão ganhou de presente um casal de tokis: Youyou e Yangyang, que no mesmo ano deram à luz o primeiro filhote japonês gerado por incubação artificial. Hoje, Japão e China já contam mais de 600 aves da espécie. Em 2010, Filarmônica fez a estreia de Trenodia para Toki no Brasil. À época, o nosso maestro Fabio Mechetti explicou: “Toda música tem um pouco dos costumes e do folclore do país em que é feita. A do Japão, que chega a incorporar instrumentos tradicionais em algumas peças, é mais contemplativa, até pela própria cultura local. Essa de Trenodia para Toki, por exemplo, não tem pulso, batida. A música japonesa, em geral, tem essa característica. É uma outra noção de tempo”.

A marca registrada de Giacomo Puccini é a ópera. As peças La bohème, Tosca, Madame Butterfly e Turandot estão entre as mais executadas em salas pelo mundo. Ainda que o próprio Puccini tenha reconhecido que o seu verdadeiro talento seja visto “nos teatros”, são poucos os trabalhos não-operísticos que escreveu. Alguns deles merecem atenção, como a elegia Os Crisântemos, originalmente composta para quarteto de cordas em 1890, mas arranjada para orquestra de cordas posteriormente – é nesta versão que ficou conhecida ao longo do século XX. A inegável afinidade com o quarteto de cordas, no entanto, acrescenta um tom à dualidade simbólica do crisântemo. Em algumas culturas, o crisântemo é comumente associado à velhice e à sabedoria por florescer no outono, no fim da época de cultivo. No entanto, na Itália, onde nasceu o compositor, as flores são usadas somente como decoração em funerais. O título da peça, escrita em homenagem ao Príncipe Amadeu de Espanha, morto em janeiro de 1980, trata-se de uma metáfora e homenagem a esse episódio.

Em seus melhores momentos, a música de Ottorino Respighi exibe uma inventividade de orquestração só comparável, em seu tempo, à de Ravel. Nenhum compositor italiano depois de Puccini conquistou tamanha popularidade internacional. E Os pássaros, de 1928, é sem dúvida alguma um dos melhores trabalhos orquestrais dele. A obra toma evocações de animais feitas por compositores dos séculos XVII e XVIII para sujeitá-las a requintes de orquestração aprendidos por Respighi no estudo de partituras de Richard Strauss e nas críticas de Rimsky-Korsakov a seus trabalhos iniciais (1900–1903). Após o Prelúdio baseado em uma ária de Bernardo Pasquini, o compositor nos apresenta quatro pássaros: La colomba [A pomba], inspirada por obra do francês Jacques de Gallot; La gallina [A galinha], derivado de um trabalho para cravo de Rameau; L'usignolo [O rouxinol], a partir de uma melodia inglesa de autor desconhecido; Il Cucù [O cuco], último movimento que retoma o tema original de Pasquini.

Algumas espécies de baleias produzem sons previsíveis e regulares. As belugas, por exemplo, são apelidadas de “canários do mar” em razão do volume e frequência do seus cantos, gritos e assobios. Essa cantoria tem diversas funções, como se comunicar e encontrar comida ou buracos no gelo do Oceano Ártico por onde possam respirar! Apresentado ao universo das baleias pelo regente Andre Kostelanetz e pelo professor e zoólogo Roger S. Payne, Alan Hovhaness ficou imediatamente inspirado. Recebeu diversas fitas de Payne, que continham o canto de jubartes nas ilhas Bermudas. O trabalho final inclui trechos do canto de baleias fornecidos pelo professor e outros estudiosos intercalados com sons produzidos pela massa orquestral como explicou o próprio Hovhaness em um comentário deixado em sua partitura: “Passagens liberadas do ritmo, cada instrumento de corda sendo tocado de forma independente – tudo isso traz a ideia de baleias em um vasto oceano. A melodia pentatônica indica a imensidão do amplo céu oceânico. Montanhas submarinas sobem e descem em trompas, trombones e tubas. A música das baleias também sobe e desce como cordilheiras (...), emergem como um gigantesco mítico pássaro marinho. A humanidade não existe, ainda não nasceu na particular solidão da natureza”.

“A grande arte é a própria Natureza”, dizia Heitor Villa-Lobos. Além dos elementos naturais, ele soube captar toda a gama de influências folclóricas e populares de nossa cultura e aplicá-las em sua música. Na década de 1950, compôs Erosão, baseada em lenda sobre a origem do rio Amazonas; Alvorada na floresta tropical; Rudá, Deus do Amor, contando a história das Américas pré-colombianas e a Sinfonia “Ameríndia”, um oratório sobre versos do Padre José de Anchieta. Sua última composição inspirada nessa “terra extensa, generosa e quente” foi a trilha sonora para o filme Green Mansions [A flor que não morreu] de 1958, no qual a atriz Audrey Hepburn interpreta uma menina da selva. Um ano antes de sua morte, a versão para concerto desta trilha foi rebatizada de Floresta do Amazonas.

25 mai 2019
sábado, 18h00

Sala Minas Gerais
compre seu ingresso

Estudantes, maiores de 60 anos, jovens de baixa renda entre 15 e 29 anos e pessoas com deficiência (e acompanhante) têm direito a meia-entrada.
Os ingressos para o setor Coro (46 reais) serão comercializados somente após a venda dos demais setores.

|    mais informações sobre ingressos
Quero ser lembrado deste concerto.
adicione à agenda 25/05/2019 6:00 PM America/Sao_Paulo Música, Fauna e Flora false DD/MM/YYYY