Violão entre mestres – filho

Thomas Sanderling, regente convidado
Fabio Zanon, violão

WAGNER
CASTELNUOVO-TEDESCO
BRAHMS
Os mestres cantores de Nurenberg, WWV 96: Prelúdio
Concerto para violão em Ré maior, op. 99
Sinfonia nº 4 em mi menor, op. 98

Thomas Sanderling, regente convidado

Nascido em São Petersburgo, Thomas Sanderling é filho de Kurt Sanderling, que atuou como regente da Filarmônica de São Petersburgo. Com apenas 24 anos, foi nomeado diretor musical da Halle Opera. Sua gravação de estreia, da Suíte Michelangelo, de Shostakovich, rendeu-lhe a vaga de assistente tanto de Herbert von Karajan quanto de Leonard Bernstein. A lista de orquestras que já tocaram sob a batuta de Thomas Sanderling inclui a Orquestra Sinfônica da Rádio Bávara, as sinfônicas de Pittsburgh, de Montreal e as filarmônicas de Londres, Oslo, Tcheca, NDR, Real de Estocolmo e São Petersburgo. Thomas Sanderling desfrutou de uma relação próxima com o compositor russo Dmitri Shostakovich durante anos e ainda colabora com Irina Shostakovich. Eles se conheceram na estreia do regente em Moscou, à frente da Orquestra Estatal da Rússia. Impressionado, o compositor confiou a Sanderling a tradução para o alemão dos textos das suas 13ª e 14ª sinfonias, e o maestro conduziu as estreias alemãs de ambas as obras.

Uma das figuras centrais no cenário internacional de violão clássico, como solista ou camerista, Fabio Zanon tem se apresentado por toda a Europa, Américas, Austrália e Oriente Médio. É também convidado regular de teatros como o Royal Festival Hall, Wigmore Hall, Carnegie Hall, Sala Verdi (Milão), Sala da Filarmônica de Varsóvia, Musikhalle de Hamburgo, Ateneu de Madri, KKR em Lucerna e todos as mais importantes casas do Brasil. Venceu por unanimidade o 30° Concurso Francisco Tarrega, na Espanha, e o 14° Concurso da Fundação Americana de Violão (GFA), nos Estados Unidos. A essas vitórias seguiu-se uma turnê de 56 concertos nos EUA e Canadá e o lançamento de seus primeiros álbuns. Sua gravação da obra completa de Villa-Lobos, pelo selo Music Masters, é considerada uma referência, e o álbum Guitar Recital (Naxos) foi escolhido pela revista Gramophone como o melhor de 1998. Desde 2008, Zanon é professor visitante da Royal Academy of Music de Londres. Em 2013 assumiu a coordenação artística e pedagógica do Festival Internacional de Inverno de Campos do Jordão.

Programa de Concerto

A última sinfonia de Brahms vem de sua maturidade. O compositor tinha 53 anos quando conduziu a estreia, em outubro de 1885, junto à Orquestra da Corte de Meiningen. Já a definiram como a “sinfonia de outono” – de fato, ela olha para o passado com a serenidade dos gênios. Usa, por exemplo, não só a forma barroca da chacona no Allegro energico e passionato, como também parte de um coral da Cantata nº 150 de Bach. Constrói sobre ela um ciclo de 35 variações. Ideia nascida em conversa com o regente Siegfried Ochs em 1880, quando Brahms, grande colecionador de manuscritos e originais, mostrou-lhe o coro final daquela cantata, que possuía em manuscrito inédito de copista. Robert Schumann, em seu artigo Neue Bahnen, sugeriu que o destino de Johannes Brahms era criar para a orquestra. Profecia realizada, pois ele colocou verdadeiras joias sinfônicas no mundo, e o opus 98 representa o ápice de sua escrita sinfônica soberba.

Quero ser lembrado deste concerto.
adicione à agenda 23/10/2020 8:30 PM America/Sao_Paulo Violão entre mestres – filho false DD/MM/YYYY