Marcos Arakaki

Regente Associado

Marcos Arakaki teve seu talento reconhecido a partir de 2001, quando venceu o I Concurso Nacional Eleazar de Carvalho para Jovens Regentes, promovido pela Orquestra Petrobras Sinfônica, realizado no Rio de Janeiro. Desde então, tem dirigido as principais orquestras sinfônicas brasileiras, além da Orquestra Filarmônica de Buenos Aires, de Karkhiv na Ucrânia, a Boshlav Martinu na República Tcheca, a Orquestra Sinfônica de Xalapa e da Universidade Autônoma do México. Marcos Arakaki concluiu o bacharelado em música pela Universidade Estadual Paulista (Unesp) e o mestrado em regência orquestral pela University of Massachusetts. Participou do Aspen Music Festival and School (2005), nos Estados Unidos, recebendo orientações de David Zinman, e também de masterclasses com os maestros Kurt Masur, Charles Dutoit e Sir Neville Marriner. Entre 2007 e 2010, trabalhou como regente titular da Orquestra Sinfônica da Paraíba e regente assistente da Orquestra Sinfônica Brasileira. Como regente titular, Arakaki promoveu a reestruturação da Orquestra Sinfônica Brasileira Jovem entre os anos 2008 e 2010, recebendo grande reconhecimento da crítica especializada e do público na cidade do Rio de Janeiro. Em 2009, Marcos Arakaki recebeu o Prêmio Camargo Guarnieri, concedido pelo Festival Internacional de Campos do Jordão. À frente da Orquestra Sinfônica Brasileira, gravou em 2010 a trilha sonora do filme Nosso Lar, composta por Philip Glass.

 

Arakaki tem acompanhado importantes artistas, tais como os pianistas Gabriela Montero, Sergio Tiempo, Anna Vinnitiskaya, Sofya Gulyak e Ricardo Castro; os violinistas Pinchas Zukerman, Rachel Barton Pine, Chloë Hanslip e Luíz Fílip; o violoncelista Victor Julien-Laferrière; o contrabaixista Günter Klaus, o clarinetista Eddie Daniels, o trompista/trompetista David Gérrier e o violonista Yamandu Costa, dentre muitos outros.

 

Paralelamente, tem desenvolvido atividades como coordenador pedagógico, professor e palestrante em diversos projetos culturais e em instituições como: na Casa Saber – Rio de Janeiro, Música na Estrada, Universidade Federal da Paraíba, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Universidade Federal de Roraima e em diversos conservatórios brasileiros. Foi professor visitante da Universidade Federal da Paraíba por dois anos, contribuindo para a consolidação da recém-criada Orquestra Sinfônica da UFPB.

 

Marcos Arakaki é o regente associado da Filarmônica de Minas Gerais e colabora com a Orquestra desde 2011, com destacada atuação nos concertos para formação de público. É autor do livro A História da Música Clássica Através da Linha do Tempo, lançado em 2019.