|    7 ago 2017

Johann Sebastian “Inigualável” Bach

Nossa Orquestra abraça a música do astro-rei do período Barroco e traz ainda a reverência de Heitor Villa-Lobos ao mestre. Neste texto, a organista Josineia Godinho trata de alguns aspectos da vida de Bach e comenta sua influência no compositor brasileiro.

2017-site-blog-bach

por Josineia Godinho *

 

“…fundando-se nas experiências dos organistas nórdicos, da escola romana e dos mestres venezianos; fundindo contraponto gótico, cromatismo maneirista e diatonismo barroco numa nova linguagem; antecipando um futuro não-imediato, mas já marcado pelos fatais caminhos da história; místico e humano, curioso de novidades e rigorosamente disciplinado numa prática artesanal de longa tradição, Bach é um território isolado, para o qual convergem as águas do passado e do qual jorra o rio do futuro. Imanência e transcendência, ciência e canto desprendem-se da sua música com uma força bíblica que não tem igual na arte dos sons. Por isto, embora serenamente enquadrado em seu tempo, ele está fora do tempo e mal sofre os enclausuramentos metodológicos dos estilos.”

Sergio Magnani – Expressão e Comunicação na Linguagem da Música – UFMG – 2a. Edição – 1996

 

Johann Sebastian Bach nasceu em uma família de músicos, conhecida desde o final do século XVI na Turíngia, região central da Alemanha. O patriarca Bach chegou à região fugindo das perseguições religiosas na Silésia. Em Eisenach, cidade de destaque na região por abrigar uma das residências do príncipe eleitor, seu pai ocupava o cargo de trompetista da corte e membro do Grupo de Metais da cidade.

 

As casas dos músicos eram tradicionalmente locais de ensino para os filhos da família e para os alunos, que em geral ali residiam. A formação musical dos filhos acontecia tanto de forma dirigida, na companhia dos alunos, como através de pequenos trabalhos como cópia de partituras, afinação de instrumentos e canto em cerimônias litúrgicas. É sabido que o jovem Johann Sebastian muito cedo participou de grupos de cantores que atuavam em cultos, batismos, velórios e casamentos, a troco de um honorário pequeno.

 

Como tantos músicos do século XVII, Bach dominou diversos instrumentos: o violino, a viola e o canto. Sua formação como cravista e organista ficou a cargo do irmão mais velho, Johann Christoph, que o acolheu após a morte dos pais.

 

Seguindo a prática comum dos jovens em fase de aprendizado, Johann Sebastian viajou para conhecer o trabalho de outros mestres, adquirir experiências complementares e ganhar o próprio sustento. Permaneceu por alguns anos em Lüneburg, onde, além de servir como cantor e eventualmente violinista, adquiriu a sua formação humanística como aluno da Michaelisschule. Além do latim, do grego, retórica e lógica, teve aulas de religião com formação luterana ortodoxa, com o estudo aprofundado dos pensamentos de Lutero.

 

Outras experiências musicais se somaram em viagens nas quais o jovem músico conheceu grandes órgãos, compositores experientes, acompanhou a cena operística e teatral, assim como observou orquestras de câmara com instrumentistas virtuoses nacionais e estrangeiros. Ao retornar ao seu estado natal, Johann Sebastian assumiu suas atividades profissionais atuando de forma igualmente competente e orgânica tanto no campo secular quanto no litúrgico.

 

A partir da segunda metade do século XIX, com o crescente interesse pela pesquisa histórica, pelo enciclopedismo e pela sistematização do estudo da história da música, Johann Sebastian Bach foi um dos músicos mais biografados e estudados do período. Suas obras foram reeditadas e suas composições, revitalizadas no ambiente de concerto. As pesquisas e experimentos em torno dos instrumentos antigos lançaram a atenção para o cravo no início do século XX, e a revalorização do seu repertório trouxe à tona a obra didática de Bach para o instrumento.

 

Nesse ponto, acontece o encontro de Heitor Villa-Lobos com Bach: aos oito anos de idade, já como pequeno violoncelista, ele é apresentado aos prelúdios e fugas do Cravo bem temperado e declara-se fascinado pela qualidade e ineditismo dos mesmos. Assim como o jovem Johann Sebastian, Heitor foi criado em uma atmosfera altamente musical, tendo sido colocado em contato com a música tanto erudita quanto popular desde muito cedo. Também Villa-Lobos decidiu-se a viajar principalmente pelo interior e Nordeste do Brasil, para conhecer diversas manifestações musicais na época pouco divulgadas, encarando essas viagens como complementação de sua formação musical.

 

* Josineia Godinho é Mestre em Música, organista da Catedral da Sé de Mariana.

 

Para ampliar o conhecimento sobre J. S. Bach

Karl Geiringer – Johann Sebastian Bach – O Apogeu de uma era (Zahar – 1985)

 

CD Johann Sebastian Bach – The Orchestral Suites | La Petite BandeSigiswald Kuijken, regente (Accent ACC 24279 – 2013)

 

CD Johann Sebastian Bach – 6 Brandenburg Concertos; 4 Orchestral Suites | The English ConcertTrevor Pinnock, regente (Archiv Produktion 4234922 – 1988 – 3 CDs)

 

CD J. S. Bach – Ouvertüren – Complete Orchestral Suites | Freiburger Barockorchester (Harmonia Mundi HMC 90211314 – 2011)

 

CD J. S. Bach – Brandenburgische Konzerte 1-6Akademie für Alte Musik Berlin (Harmonia Mundi 2901634/35 – 2003)

 

CD Bach – Kantaten, BWV 48-51 | Nikolaus Harnoncourt; Gustav Leonhardt (Teldec Classics 8573811995 – 2006)

 

CD Johann Sebastian Bach – Cantatas | Musica Angelica Baroque OrchestraMartin Haselböck, regente (United Classics T2CD2013011 – 2013)

 

Áudio Johann Sebastian Bach – Brandenburg Concertos | Concentus Musicus Wien – Nikolaus Harnoncourt – regente (Teldec 690116 – 1992)

 

Concerto de Brandemburgo nº 6
Orchestra Mozart – Claudio Abbado, regente
Acesse: https://youtu.be/YZW791uMSAQ

 

Suíte nº 1 em Dó maior, BWV 1066
The English Concert – Trevor Pinnock, regente
Acesse: https://youtu.be/P_si43oNT3A

 

 

Suíte nº 1 em Dó maior, BWV 1066
Netherlands Bach Society – Jos van Veldhoven, regente – Maria Keohane, soprano
Acesse: allofbach.com/en/bwv/bwv-51/

 

Cantata nº 51, BWV 51
Real Filharmonía de Galicia – Helmuth Rilling, regente – Lenneke Ruiten, soprano – Javier Simó, trompete
Acesse: https://youtu.be/BFDtRn396WY

Posts relacionados