Concertos para a Juventude 2

José Soares, regente

|    Concertos para a Juventude

VILLA-LOBOS
VILLA-LOBOS
STRAUSS JR.
RESPIGHI
O naufrágio de Kleônicos: Dança do cisne negro
Floresta do Amazonas: Melodia Sentimental
Zeisserln, Walze, op. 114
Os Pássaros

José Soares, regente

Natural de São Paulo, José Soares é Regente Associado da Orquestra Filarmônica de Minas Gerais desde 2022, tendo sido seu Regente Assistente nas duas temporadas anteriores. Venceu o 19º Concurso Internacional de Regência de Tóquio (2021), recebendo também o prêmio do público. Bacharel em Composição pela Universidade de São Paulo, iniciou-se na música com sua mãe, Ana Yara Campos. Estudou com o maestro Claudio Cruz e teve aulas com Paavo Järvi, Neëme Järvi, Kristjan Järvi e Leonid Grin. Foi orientado por Marin Alsop, Arvo Volmer, Giancarlo Guerrero e Alexander Libreich no Festival Internacional de Inverno de Campos do Jordão. Pelo Prêmio de Regência recebido no festival, atuou como regente assistente da Osesp na temporada 2018. José Soares foi aluno do Laboratório de Regência da Filarmônica e convidado pelo maestro Fabio Mechetti a reger um dos Concertos para a Juventude da temporada 2019. Dirigiu a Osesp, a New Japan Philharmonic, Sinfônica de Hiroshima e Filarmônica de Nagoya, no Japão. Em 2024, conduzirá a Sinfônica Jovem de São Paulo e a Orquestra de Câmara de Curitiba. 

Programa de Concerto

O naufrágio de Kleônicos: Dança do cisne negro | VILLA-LOBOS

O Naufrágio de Kleônicos é de 1916, quando Villa-Lobos tinha apenas 29 anos. O poema sinfônico revela a profunda afinidade do compositor com a música de Saint-Saëns, bastante presente em seus anos de formação. Inclusive, a passagem final é uma alusão ao Cisne do francês. No catálogo de obras de Villa-Lobos, consta que um bailado teria sido extraído do livro Loulou Fantoche: Fantasias de Carnaval, de Léo Teixeira Leite Filho. O texto traz a ‘história de uma rapariga cocainomaníaca que, farta de aturar os ciúmes do amante, aproveita uma noite de Carnaval, sai, e tem uma aventura com outro homem.’ Na cena que se refere a Kleônicos, a moça, como uma dançarina pagã, dança ao som de uma orquestra imaginária, vivenciando assim a história do naufrágio. A música de Villa-Lobos acompanha perfeitamente a narrativa, principalmente nos três momentos em que utiliza a melodia do cisne negro.

“A grande arte é a própria Natureza”, dizia Heitor Villa-Lobos. Além dos elementos naturais, ele soube captar toda a gama de influências folclóricas e populares de nossa cultura e aplicá-las em sua música. Na década de 1950, compôs Erosão, baseada em lenda sobre a origem do rio Amazonas; Alvorada na floresta tropicalRudá, Deus do Amor, contando a história das Américas pré-colombianas e a Sinfonia “Ameríndia”, um oratório sobre versos do Padre José de Anchieta. Sua última composição inspirada nessa “terra extensa, generosa e quente” foi a trilha sonora para o filme Green Mansions [A flor que não morreu] de 1958, no qual a atriz Audrey Hepburn interpreta uma menina da selva. Um ano antes de sua morte, a versão para concerto desta trilha foi rebatizada de Floresta do Amazonas.

Em seus melhores momentos, a música de Ottorino Respighi exibe uma inventividade de orquestração só comparável, em seu tempo, à de Ravel. Nenhum compositor italiano depois de Puccini conquistou tamanha popularidade internacional. E Os Pássaros, de 1928, é sem dúvida alguma um dos melhores trabalhos orquestrais dele. A obra toma evocações de animais feitas por compositores dos séculos XVII e XVIII para sujeitá-las a requintes de orquestração aprendidos por Respighi no estudo de partituras de Richard Strauss e nas críticas de Rimsky-Korsakov a seus trabalhos iniciais (1900-1903). Após o "Prelúdio", baseado em uma ária de Bernardo Pasquini, o compositor nos apresenta quatro pássaros: "La colomba" [A pomba], inspirada por obra do francês Jacques de Gallot; "La gallina" [A galinha], derivado de um trabalho para cravo de Rameau; "L’usignolo" [O rouxinol], a partir de uma melodia inglesa de autor desconhecido; "Il Cucù" [O cuco], último movimento que retoma o tema original de Pasquini.

28 abr 2024
domingo, 11h00

Sala Minas Gerais, com transmissão ao vivo pelo YouTube
Ingressos Transmissão

A distribuição online começará dia 24/04, ao meio-dia.

No dia da apresentação, a partir das 9 horas, 200 ingressos serão distribuídos diretamente na bilheteria da Sala Minas Gerais.

|    mais informações sobre bilheteria
Quero ser lembrado deste concerto.
adicione à agenda 28/04/2024 11:00 AM America/Sao_Paulo Concertos para a Juventude 2 false DD/MM/YYYY
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sáb
31 1 2 3 4 5 6
7 8 9 10 11 12 13
14 15 16 17 18 19 20
21 22 23 24 25 26 27
28 29 30 1 2 3 4